A carne branca, a textura macia, o cheiro característico e o sabor único fazem do peixe um alimento irresistível à mesa, seja ele frito, assado, grelhado ou cozido. Mas os atrativos não param por aí: são inúmeros os benefícios que a carne de peixe oferece à alimentação de pessoas de todas as idades e, por isso, seu consumo é recomendado por médicos e nutricionistas, ao menos uma vez por semana.

Fonte abundante de proteínas – que são absorvidas com mais facilidade que a de outros tipos de carnes – os pescados têm importante papel no crescimento e manutenção do organismo. São essenciais, por exemplo, na digestão, na produção de anticorpos, na coagulação do sangue, controle da taxa de colesterol, entre outras funções.

É também rico em nutrientes e sais minerais tais como ferro, iodo, magnésio, cálcio, sódio, fósforo etc, e em vitaminas A, E, D, B2, B3, B12 e ácido fólico, fundamentais para o bom funcionamento o corpo.

Além disso, a gordura do peixe é insaturada, ou seja, não prejudicial à saúde, e possui o complexo ômega-3, ácido graxo de grande importância para as atividades do cérebro e do coração. Além de um poderoso antioxidante, seu consumo auxilia na diminuição dos triglicerídeos e colesterol e favorece a produção do chamado “colesterol bom” (HDL), diminuindo o risco de doenças cardiovasculares, alguns tipos de câncer e doenças inflamatórias.

No cérebro, o ômega-3 aumenta a atividade dos sinais nervosos que ajuda na memória, concentração, humor, habilidade motora, velocidade de reação etc. É importante ressaltar que essa substância não é produzida pelo organismo, devendo ser fornecida pela alimentação.

Todos esses elementos fazem do peixe um excelente alimento para uma dieta variada e saudável, principalmente para crianças, mulheres grávidas e em período de amamentação.

Mesmo sabendo dessas propriedades nutritivas, grande parte dos brasileiros ainda não tem como hábito incluir o peixe no cardápio de refeições. Dados da última pesquisa realizada pelo IBGE indicam que cada brasileiro consome, em média, 7Kg de peixe por ano, bem abaixo dos 12kg recomendados pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

Peixes de água doce e de água salgada são abundantes no país, o que favorece o consumo de grande variedade de espécies, desde os mais nobres até os mais comuns, sendo uma opção acessível de alimento, independente das condições socioeconômicas da população.

E é por essas e diversas outras razões que a produção sustentável e o consumo consciente de pescados no país devem ser incentivados cada vez mais.